borboleta

borboleta

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Prática Educativa

Didática. Jose Carlos Libâneo. capítulos 1 e 2 (resumo).
Prática Educativa, Pedagogia e Didática.
É papel da sociedade cuidar da formação dos indivíduos, já que a educação é uma atividade necessária para o funcionamento da sociedade. Não existe sociedade sem prática educativa e vice versa.
Desde o início da história da humanidade, o homem aprendeu a se organizar e se dividir em grupos diante as necessidades, para trabalharem juntos e garantir sua sobrevivência. Porém, essa organização nem sempre tinha uma divisão igual e é a partir daí que começam a se formar os grupos sociais que apresentam divergência. Mais tarde, na sociedade feudal, por exemplo, a divisão do trabalho (escravos, senhor feudal, servos) fez com que as pessoas ocupassem lugares diferentes na atividade produtiva criando novas desigualdades, estas desigualdades entre classes diferentes vai determinar não só vida das pessoas no trabalho (divisão), mas também no acesso à educação.
Com base nisso, a educação é considerada um fenômeno social, pois ela faz parte das relações sociais, econômicas, políticas de uma sociedade. Atualmente a sociedade brasileira, por exemplo, a estrutura social se divide em dois grupos e classes sociais e isso interfere na prática da educação, deste modo o objetivo e os meios da educação são determinados de acordo com a classe social. Por isso é preciso compreender, primeiramente, as relações sociais para saber com a prática educativa se encaminha.
Os estudos das modalidades da educação classificam em não-intencionais e intencionais. A educação não-intencional refere-se aos indivíduos que sofrem influências do contexto social e do meio ambiente, influências que são denominadas de educação informal, que são os conhecimentos, experiências, idéias, etc. adquiridas,  que não são conscientes. A educação intencional é caso da educação escolar, por exemplo, em que há intenção. São muitas formas de educação intencional e variam os meios conforme o objetivo.
Com isso, pode-se dizer que há uma educação não-formal, quando há prática educativa sem intenção, ou seja, estão fora da escola e que há uma educação formal, com intenção que é realizada em escolas, estas são destacadas entre as demais por servir de suporte e requisito para as outras.
É possível a participação do indivíduo na vida social, atualmente, sem educação intencional como a educação escolar, pois é a escolarização básica que possibilitará um indivíduo a aproveitar e interpretar outras influências educativas.
 A didática é o principal ramo de estudo da pedagogia (campo de conhecimentos que investiga a natureza das finalidades da educação). Ela investiga os fundamentos, condições e modo de como é realizado o ensino e converte objetivos sócio-políticos e pedagógicos em objetivos de ensino, além de estabelecer vínculos entre o ensino e a aprendizagem tendo em vista a capacidade mental do aluno.
A didática atua como mediador entre as bases teórico-científicas da educação e a prática docente. O processo de ensino é realizado com o professor junto ao aluno, sendo o professor que irá direcionar promovendo condições e os meios para que os alunos assimilem os conhecimentos e habilidades.
           
Didática e democratização do ensino
O principal objetivo das escolas públicas e dos professores é a inclusão de crianças e jovens na participação de sua vida ativa realizando ações indispensáveis em sua instrução metodológica.
            Ao cumprir sua metodologia e didática o professor estará cumprindo responsabilidades políticas e sociais, no domínio de conhecimentos culturais, científicos e ambientais em suas ações cognitivas no mercado de trabalho, e suas lutas sociais contribuindo para uma melhor democratização na sociedade.
Dessa forma, a escola pública tem sido capaz de atender a escolarização básica? Os governos têm cumprido suas obrigações sociais? O preparo profissional do professor é suficiente? Sabemos muito bem como as escolas públicas funcionam em condições precárias, com professores mal qualificados, com salário escasso e ensino de baixa qualidade. É necessária uma reflexão para uma compreensão mais correta das causas internas e externas à escola que, efetiva a escolarização das crianças e jovens. 
A escolarização tem, portanto, uma finalidade muito prática. Ao adquirirem um entendimento crítico da realidade através do estudo das matérias escolares e do domínio de métodos pelos quais desenvolverem suas capacidades cognoscitivas e formam habilidades para elaborar independentemente os conhecimentos, os alunos podem expressar de forma elaborada os conhecimentos que correspondem aos interesses majoritários da sociedade e inserir-se ativamente nas lutas sociais.
A escola pública deve ser unitária. O ensino básico é um direito fundamental de todos os brasileiros e um dever do estado para com a sociedade, cabendo-lhe a responsabilidade de assegurar a escolarização da população. Por tanto, a escola é um meio insubstituível de contribuição para as lutas democráticas, na medida em que possibilita às classes populares, ao terem o acesso ao saber sistematizado e às condições de aperfeiçoamento das potencialidades intelectuais, participarem ativamente do processo político, social e cultural com uma pedagogia voltada para os interesses populares de transformação da sociedade.

O fracasso escolar precisa ser derrotado

O sistema escolar brasileiro vem sofrendo grandes problemas, o mais grave entre eles é o fracasso escola, principalmente das crianças mais pobres, devido a algumas evidências como o grande número de reprovações nas séries iniciais do 1º grau, exclusão do aluno ao longo dos anos, entre outros.
Dados percentuais do ministério da educação mostram que a escola pública brasileira não consegue reter as crianças na escola. Este fato deve ser explicado por fatores externos à escola, mas é evidente que a exclusão das crianças tem a ver, em grau significativo, com aquilo que escola e os professores fazem ou deixam de fazer.
Em 1981 fundação Carlos Chagas investigou as causas mais amplas da repetência escolar. Entre as causas determinantes da reprovação, a mais decisiva foi o fato de a escola, na sua organização curricular e metodológica, não estar preparada para utilizar procedimentos didáticos adequados para trabalhar com as crianças que apresentam um diferente aproveitamento em relação às outras. Essas crianças acabam sendo reconhecidas como alunos reprovados previamente.
Deve-se levar em consideração que as crianças pobres possuem um pouco de dificuldade na aprendizagem devido às condições econômicas, sócio-culturais, intelectuais, etc. Mas se o meio social em que vive acriança não pode provar boas condições para o desenvolvimento intelectual, o ensino pode proporcionar um ambiente necessário de estimulação e é para isso que o professor se prepara profissionalmente.
É preciso enfrentar e derrotar o fracasso escolar se quiser de fato uma escola democrática. Segundo o psicólogo David Ausubel “O fato isolado mais importante eu influencia a aprendizagem é aquilo que o aluno já conhece; descubra-se o que ele sabe e baseie-se nisso seus ensinamentos”. O trabalho docente consiste em compatibilizar conteúdos e métodos com o nível de conhecimento, experiências, desenvolvimento mental dos alunos.
A escola e os professores tem sua parte a cumprir na luta, contra o fracasso escolar. O domínio da leitura e da escrita é a base necessária para que os alunos progridam os estudos, aprendam a ingressar suas idéias e sentimentos.

As tarefas das escolas públicas democráticas
A finalidade do ensino do 1º grau é estimular a assimilação ativa dos conhecimentos sistematizados das capacidades, habilidades e atitudes necessárias à aprendizagem, é também colocar os alunos em condições de continuarem estudando e aprendendo durante toda vida e inculcar valores e convicções democráticas, como por exemplo, respeito pelos companheiros, capacidade de participação em atividades coletivas, entre outros.
A escola pela qual devemos lutar hoje visa o desenvolvimento científico e cultural do povo, preparando as crianças e jovens para vida, para o trabalho e para a cidadania, através da educação geral, intelectual e profissional.
As tarefas da escola pública democrática são:
1-      Proporcionar a todas as crianças e jovens a escolarização básica e gratuita pelo menos oito anos.
2-      Assegurar a transmissão e assimilação dos conhecimentos e habilidades que constituem as matérias de ensino.
3-      Assegurar o desenvolvimento das capacidades e habilidades intelectuais, sobre a base dos conhecimentos científicos.
4-      Assegurar uma organização interna da escola em que os processos de gestão e administração e os de participação democrática de todos os elementos envolvidos na vida escolar estejam voltados para o entendimento da função básica de escola, ensino.
Para a realização dessas tarefas a escola organiza, com base nos objetivos e conteúdos das matérias de ensino, seu plano pedagógico-didático. O núcleo de conhecimentos básicos da 1º fase do ensino de 1° grau compõe-se d seguintes matérias:
·         Português = é uma das mais importantes responsabilidades profissionais do professor, pois é a condição para aprendizagem das demais disciplinas.
·         Matemática = desenvolvimento de habilidades de contagem, cálculos e medidas.
·         História e geografia = visam estudar o homem como ser social.
·         Ciências físicas e biológicas = compreendem o estudo da natureza e do ambiente.
·         Educação artística = um meio de formação cultural e estética dos alunos, de desenvolvimento, de criatividade e de imaginação.
·         Educação física e lazer = contribuem para fortificar o corpo e o espírito.

O compromisso social e ético dos professores
É responsabilidade do professor preparar os alunos para se tornarem cidadãos ativos e participantes na família, no trabalho, nas associações em classe, na vida cultural e política. As características mais importantes da atividade profissional do professor e a medição entre os alunos e a sociedade.
O sinal mais indicativo da responsabilidade do professor é seu permanente empenho na instrução e educação dos seus alunos, dirigindo o ensino e as atividades de estudos de modo que estes dominem os conhecimentos básicos e habilidades, desenvolverem suas forças, capacidades físicas e intelectuais.
Quando o professor se posiciona consciente e explicitamente, do lado dos interesses da população majoritária da sociedade, ele insere sua atividade profissional, ou seja, sua competência técnica.

6 comentários:

  1. Excelente, meninas!!!
    Muito bem construído. Parabéns!!!
    Só faltou um detalhe => apresentar de onde está fundamentada a síntese. Isto é, apresentar que estas considerações são diante a leitura dos capítulos 1º e 2º do Livro de Libâneo com o Título: Didática. E apresentar a bibliografia.
    Renilze Ferreira.

    ResponderExcluir
  2. Karol, Juliana e Silvania, vejam o blog da disciplina:

    http://fafirebiologia20112.blogspot.com/

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  3. Mudado o endereço do blog, agora é este:

    http://fafirebiologiadidatica20112.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. OK, meninas!!!
    Parabéns pela eficiência.

    Agora, falta o blogar a síntese do Livro de Freire - Pedagogia da Autonomia.
    Aguardo!!!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns! O blog ficou lindo, adorei o desing!

    ResponderExcluir
  6. Ana Lúcia e Camila, vocês estão bem ativas. Isso é que é postura de educadoras.

    ResponderExcluir