borboleta

borboleta

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Qual o perfil do professor hoje?

 INTRODUÇÃO.
Desde o início da história da humanidade, o homem aprendeu a se organizar e se dividir em grupos diante as necessidades, para trabalharem juntos e garantir sua sobrevivência. Porém, essa organização nem sempre tinha uma divisão igual e é a partir daí que começam a se formar os grupos sociais que apresentam divergência. Mais tarde, na sociedade feudal, por exemplo, a divisão do trabalho (escravos, senhor feudal, servos) fez com que as pessoas ocupassem lugares diferentes na atividade produtiva criando novas desigualdades, estas desigualdades entre classes diferentes vai determinar não só a vida das pessoas no trabalho (divisão), mas também no acesso à educação.
É papel da sociedade cuidar da formação dos indivíduos, já que a educação é uma atividade necessária para o funcionamento da sociedade. Não existe sociedade sem prática educativa e vice versa. É nesse caso que a didática atua, ela investiga os fundamentos, condições e modo de como é realizado o ensino e converte objetivos sócio-políticos e pedagógicos em objetivos de ensino, além de estabelecer vínculos entre o ensino e a aprendizagem tendo em vista a capacidade mental do aluno.
A didática atua na mediação entre a educação e as práticas do professor, sendo este que direciona os alunos a assimilarem os conhecimentos. O professor tem uma importância essencial na prática educativa, sendo ele o elo entre os conhecimentos e seus alunos, é ele que deve levar o aluno a ter uma capacidade crítica e desenvolver suas habilidades.

PERFIL DO PROFESSOR HOJE.
Para Paulo freire (2000) quem ensina aprende e quem aprende também ensina, e essa frase é levada em consideração já que não há docência sem discência. Numa sala de aula o professor sempre está aprendendo com suas aulas, com seus alunos e isso são provas de que o perfil do educador de hoje não é apenas a transferência do seu conhecimento para o educando, não é apenas dizer a resposta sem saber como se faz o professor de hoje deve aguçar as capacidades, a curiosidade do seu aluno.
Ensinar é uma prática que vai envolver o aluno o professor e o conhecimento e para isso é necessário que o professor interaja e compartilhe com seus alunos, é trocar os seus conhecimentos como o educando. O professor deve trocar experiências vividas, principalmente do cotidiano do aluno e com isso se trás exemplos reais e se torna mais fácil de aluno entender.
O domínio do assunto é uma característica fundamental no processo de ensino e todo bom professor deve estar atento a isso. Ele tem que ter firmeza e certeza dos conteúdos, dessa forma passa segurança e, consequentemente, prende a atenção do aluno, torna a aula mais interessante. O domínio só acontece quando o professor confia em si mesmo fazendo com que o aluno também confie nele.
Antes de entrar na sala de aula o professor precisa saber a finalidade de sua aula, tem que ter objetivos: o que eu quero passar para meus alunos hoje? Para isso ele precisa sistematizar suas aulas com um plano de aula, que é os conteúdos e atividades a serem dada, a metodologia da aula, sequência didática e as forma de avaliação.
Avaliar seus alunos também é um diferencial para ser um bom professor. Não se deve apenas considerar avaliações escritas, apesar delas serem necessárias na vida escolar. A avaliação é uma forma de realmente saber se o aluno aprendeu, ou seja, se os seus objetivos de ensino foram alcançados. No entanto, há várias formas de se avaliar, com atividades, participação em aula, exercícios, entre outros. O professor que se prende a apenas provas escritas nunca muda de métodos, portanto não se importa com a aprendizagem de seus alunos.
Assumir riscos faz parte da pratica educativa, é preciso aceitar o novo, aceitar que tudo se renova, a forma como se trabalha deve ser revista e estar sempre se atualizando, aceitando o novo os riscos de rejeição diminuem. Com base nisso o professor deve sempre estar ampliando seus conhecimentos, seus métodos de trabalho, não deve se prender a uma metodologia sem resultados, ele deve rever sempre suas aulas: o que deu certo? O que não deu? Que métodos foram eficazes?. Sua forma de trabalhar deve ser um atrativo para que o aluno não se distancie ainda mais do seu professor.
O pensamento de Paulo Freire (2000) também diz que o professor deve trabalhar se adequando ao contexto que seu aluno se encontra e a partir disso será possível que o educando tenha um papel fundamental na prática educativa, que ele se assuma como um ser social,  comunicante e pensante, assumindo sua identidade cultural. Da mesma forma Libâneo (1990) pensa, ele afirma que uma das mais importantes tarefas de um educador é fazer com o aluno busque a resposta, seja curioso, pesquise, é fazer com que ele mesmo desenvolva suas próprias capacidades, e principalmente, é a formação de seus alunos para a vida social, torná-los cidadãos ativos, pessoas que vão à luta, participem da família, do trabalho, na vida cultural e política.
Muitas vezes o aluno não imagina a importância que tem o professor na sua vida e que tudo que seu educador faz interfere no processo de aprendizagem, como um pequeno e simples gesto que vale mais que qualquer coisa e que leva ao aluno a ser capaz de ir à busca de seus objetivos.
Todo professor quer bem aos seus alunos e isso não significa que haja alguma interferência na avaliação do professo ao aluno, por maior ou menor que seja o sentimento que o professor tenha por ele. Querer bem aos alunos não é passar todos eles de ano, passar a mão na cabeça, é buscar o melhor de cada um deles, para que futuramente eles possam usufruir da sua capacidade na sociedade.

CONCLUSÃO
Uma escola moderna depende do novo professor, que passe a contar com a comunicação social, cultural e em rede como instrumentos a serviço de seus ideais educativos, que seja construtor de idéias com currículos e conteúdos mais flexíveis, solidificando sua função como orientador e facilitador de opiniões direcionando seus alunos a serem cidadãos.
O professor deve incluir crianças e jovens na participação de sua vida ativa, para que mais tarde eles se expressarem de forma elaborada os conhecimentos de interesses da sociedade inserindo-lhes ativamente nas lutas sociais. Ao cumprir com seu dever de educar o professor estará cumprindo responsabilidades políticas e sociais contribuindo para torna a sociedade mias democrática.
 Por fim, vale lembrar: “Quem forma se forma e reforma ao formar e quem é formado forma-se e forma ao seu formado” Paulo Freire (2000).

REFERÊNCIAS.
·                    LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, c1990. 261 p. (Coleção Magistério - 2º Grau. Série Formação do Professor).
·                    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 14. ed. Rio De Janeiro: Paz e Terra, 2000. 165 p.
·                    VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Lições de didática. 2. ed. São Paulo, SP: Papirus, 2006. 160 p. (Magistério: formação e trabalho pedagógico) 
·                    A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. Por – Maria Elizabeth Pereira Kraemer

Nenhum comentário:

Postar um comentário